5 de dezembro de 2008

touching from a distance.


I wish I were a warhol silk screen
hanging on the wall
or little joe or maybe lou
I'd love to be them all
all new york city's broken hearts
and secrets would be mine
I'd put you on a movie reel
and that would be just fine

(poema de dia de s.valentin de ian curtis para deborah, touching from a distance de deborah curtis)

hoje encontrei o livro que andava à procura há já algum tempo. carícias distantes (ou touching from a distance) de deborah curtis, a biografia de ian curtis, e por assim dizer, de joy division. é de mim ou o título em português soa ligeiramente a porn? uhm.

(sim, a fotografia acima é do filme control e quem está com ian não é deborah, sua mulher e destinatária deste poema, mas sim annick).

2 comentários:

Dr. Strangeluv disse...

Ofereceram-me o livro no ano passado e de facto o título em português soa a livro oferta da revista Maria e a tradução está péssima. Vale pela veneração a Joy Division, claro (e esse poema do Ian, que foi das coisas que primeiro postei no meu blog).

Anônimo disse...

hum, também ando á procura desse livro que também desconhecia a sua adaptação no titulo "Carícias Distantes" bem isso lembra me uma canção de Mão Morta "Caricias Malicias" do primeiro disco, de tantos albuns excelentes dos Mão Morta, existe um disco deles "Vénus em Chamas" que os titulos de cada canção foi inspirado em filmes porno, por exemplo "Anjos Marotos", "Desejos Mecânicos", "Veados com Fome", "ORGIA SCHERZO EM FÁ#" ou mesmo "Hotel Paradis".

se desconheceres este disco, é boa ideia que procures por ele, eu aconselho-te...

voltanto a Joy Division, quando vi o "Control" pouco sabia da vida sentimental do Curtis, conhecia alguns significados de algumas musicas, a "atrocity exhibition" que é num romance de um dos meus escritores favoritos JG Ballard, com "Control" cheguei á conclusão que nao era bem aquilo que esperava ver, estava mais ansioso por saber mais do que se passou pela banda, o que em "Control" achei o palavra "banda" um segundo plano...

resumindo, ainda estou á espera de uma filme que demostre de raiz os Joy Division, falando das influencias nas letras, a estética do designer Peter Saville, porque em 24 Hour Party People, reflecte mais sobre a Factory Records e em "Control" a vida intima de Curtis, dai que ainda espero por um 3º filme mais dedicado somente a Joy Division...

um beijo Annie (Carma Bigodes)

Hélder